quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

6 coisas aleatórias!


Entrando na onda da BZ e da Olly (aliás, não sei fazer aquilo pra clicar no nome e entrar na página! Alguém me ensina, please? Por isso: pequenoguiapratico e euqueriaseramelia, ambos blogspot), vou falar 6 coisas aleatórias sobre mim, pra quem interessar.

Aviso que elas variam de peso e grau de importância conforme meu humor e tpm, tppm (pré pré, pós pré, e pós m - aliás, segundo o Juba, meu marido querido, tenho 5 bons dias no mês! Ainda bem que ele me ama!) 

:: Eu AMO genealogia e me perco nesses assuntos. Já passei algumas vezes 5 horas no computador procurando (em vão) o navio em que o Opa veio da Alemanha pro Brasil, o lugar onde ele nasceu, que hoje é Polônia, a cidade da bis Oma na Iugoslávia, o mapa de onde vem a família do Líbano  - Aliás, acho o máximo a história de que algumas das mais tradicionais famílias libanesas que vivem aqui em SP vem de um mesmo tronco, os Tebcherani (ou Tebecherani). Assim, os hoje sobrenomes seriam Ontem nomes próprios com o sobrenome Tebecherani. E aí cada um deu origem à sua própria família. Adoro! Ou seja, somos mais primos do que nunca!

Ainda nesse assunto, gosto tanto que fico lendo o livro dos Galvão de França e destrinchando as histórias, os troncos.  Acho muito bacana o Ju ter acesso à própria história, às origens.
Aí ele chega em casa e eu digo:
- Juba, sabia que você é gente de Máximo? E o Ju, com aquela cara de interrogação, pensando:
- (Fê anda ficando muito sozinha, só pode ser...) 
Mas ele, fofo que é, me dá corda e pergunta:
- Gente de quê? Como assim?
(Fê) - Gente de Máximo!!! E eu explico que o tal do Máximo é o tatatataravô dele que era fazendeiro em Roseira e que os descendentes são conhecidos como gente de Máximo. E por causa de casamentos entre primos e conhecidos, se tornaram proprietários de fazendas até Guará e tals....
E o Ju, com aquele humor peculiar me responde:
- Casamento consanguíneo dá nisso! Sempre digo que Guará se cobrir vira circo, se cercar vira hospício!

Mesmo assim adoro e o pai do Ju me dá atenção e de quebra agora me deu a genealogia dos Antunes.

Próximo.

:: Tenho mania de silêncio... tem dias que até passarinho me irrita. Mas isso eu já disse em outro post, por isso não vou ficar aqui me depreciando dizendo como sou intolerante.
O fato é que amo aquele silêncio absoluto inalcançável.

:: Acho o meu quadril enorme e não adianta me dizerem que é proporcional ao meu ombro, minha estatura, minha estrutura. O Ju vive dizendo que mulher sem bunda e quadril não tem graça. E na época do casamento, o Júnior, ao fazer meu vestido me convenceu que meu quadril era proporcional ao meu corpo. Quem sou eu pra discutir com ele, que é O costureiro! Mas o fato é que o casamento já foi e eu acho meus 98cm (oscilantes pra 101cm, conforme quilinhos a mais ou a menos) absurdos! Quem merece um metro de bunda, gente???

:: Sou rancorosa.... difícil admitir isso. Mas é fato. Me envolvo demais com as pessoas, doo muito do meu tempo, do meu pensamento, da minha dedicação e é isso... vários tombos pela vida. Como o assunto bunda estava em voga no item anterior, é aquele ditado: quanto mais abaixa, mais a bunda aparece! 
O fato é que já me decepcionei muito por aí e sou difícil de esquecer e perdoar. O pior é que não brigo. Me afasto. E parece que a coisa não desce, não passa. É ruim.

:: Tenho dúvidas totalmente non sense de vez em quando e costumo abri-las pro Ju, que morre de rir. Parei de abrir minhas dúvidas pra todo mundo depois de alguns foras que dei sobre o reino animal com o pai do Ju, que é um top veterinário, rsrsrs... Fiquei já com tanta vergonha qye achei melhor ficar quieta, antes que Dr. S. achasse que eu não ia servir pro Juba!
Nem adianta falar minhas dúvidas aqui, por que não vai ter graça. É uma coisa que tem a ver com quem me conhece pessoalmente, sabe qual é meu jeito e aí acho que até já espera umas perguntas fora de contexto...

::Amo, amo, amo aquela trilha sonora clássica dos casamentos! Menção especial à Hello Detroit, minha música preferida pra começar ou terminar o dia de bom humor! Amo aquela coisa Frank que passa pra Disco anos 70, com Cher nos 80, aqueles clássicos dos anos 90 que tocavam quando eu estava no colegial, mais umas músicas brasileiras animação total, Lulu Santos, Tim Maia, Jorge Bem, Skank...
Enfim, tenho um CD com, basicamente, a trilha sonora do nosso casamento, que não sai do carro e já tá no iPod. Aliás, o nosso DJ foi demais (www.logicsound.com.br)!

Por agora acabou, mas estou querendo fazer um post sobre a trilha sonora da minha vida! Meio clichê, mas adoro aquele programinha curto do GNT em que as pessoas ouvem as músicas e contam o que elas as fazem lembrar!

5 comentários:

Carol Beraldo disse...

Oi, Fê! Tô por aqui também!!! Além de colegas de MP que seremos, já somos de blog. Minha mãe é tão fanática por genealogia que criou um portal (www.imigrantesitalianos.com.br) que já é referência na internet há muuuitos anos!!! Você já foi pesquisar sobre a chegada do seu avô (Opa é avô??) no memorial do imigrante aqui em SP?? Tem que ir!!! Eles têm muuuitos registros! Se quiser, te levo lá!
Vou mandar o endereço do meu blog no seu e-mail! Smacks!!
Carol B.

Mari disse...

"silêncio absoluto inalcançável" foi ótimo, haha! acho que eu nem sei o que é isso...

Pra criar os links vc precisa selecionar a palavra (nome da pessoa, nome do blog, etc), clicar no botao hiperlink (aquele com um 8 deitado) e copiar ali a página que quer linkar.

beijo!

Carol disse...

Vc voltou!!!!

Como está encarando o calor senegalesco aqui no Rio? hehe

bjs

Carol disse...

Fê,

Pode descobrir os podres do Ralf e divulga pra galera! hahahahaha

Com a chuva o calor diminuiu, mas acho que é só uma questão de dias.

bjs

Tatiana disse...

Feli, meu pai foi no museu do imigrante e achou um monte de coisas interessantes sobre nossa família. Vai lá que vc vai amar!
Agora quanto às suas non sense, gargalhei sozinha lembrando disso, rs...
Saudades!
bjos